domingo, 12 de março de 2017

Inferno Astral Pt. II - Redenção


Acho que não sei mais falar de amor. Vai ver meu conceito de amor tenha se transformado em algo muito maior. Talvez tenha desaparecido. Também não quero mais falar de ódio. Porque a razão e a organização podem derrubar qualquer rei. Hoje, prefiro falar das coisas e do mundo. Sentado em um canto, assumi meu posto de observador, como um móvel no canto da sala que acaba se tornando parte do ambiente, silencioso, seguindo pela sombra. 

Vejo a banda passar e tambem sou passageiro. Nômade sem lar, minha mochila é minha casa. Apesar de tantas diferenças, no fim das contas somos todos semelhantes. Pequenininhos perante o tempo, o universo; "nada se perde, tudo se aproveita". Arquiteto de castelos de areia, aprendi a transformar trincheiras em jardins, a encontrar meu lugar em qualquer lugar. Descobri que dormir no chão é melhor que dormir na cama. E que o céu estrelado é um bom cobertor. 

Não faço a mínima questão de ser visto. Muito menos de estar com a razão. Só sei que não sei quase nada. E o pouco que sei fica em segredo. Enquanto os certos de tudo lutam pela verdade absoluta, descobri que é preciso quase nada para estar em paz. Aqui no canto é frio. Mas sempre fui um preto calorento. Aqui no canto, descobri que o mundo inteiro é só um canto, então, qualquer canto é minha casa. Aqui no canto pouca coisa perturba o silêncio. 

Formas de vida com a composição baseada em carbono, cada respiração traz um pouco de morte para dentro. Mas é com gosto que eu inspiro, respiro e me inspiro. Ao mesmo tempo que o relógio é meu melhor amigo também assume o papel de meu pior inimigo. Se existe alguma entidade superior que possa ser denominada deus, talvez estas entidades sejam a natureza e o tempo. 

Regido pela lua, sigo entre idas, vindas, erros, acertos e poucas horas de sono, nunca me senti tão grande sabendo que sou tão pequenininho. O mundo é injusto e cruel. Mas a vida é maravilhosa. Um brinde ao nada. Pois do nada, tudo se cria. 

Nenhum comentário: