sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Criticas desconstrutivas.Peça por peça,estão tentando me desmontar.Cuidado pra não pisar meus pedaços por aí quando não sobrar mais nada.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Tão chato quanto a Bíblia,tão grande quanto o céu,o homem cria coisas incriveis pra satisfazer seu egoísmo e capricho sem fim.Da roda à bomba atomica,cada invento mais inútil e destrutivo que o invento anterior.Tenho quase certeza de que o auge cerebral inventivo do ser humano foi ao criar as bebidas alcólicas,os cigarros e a música.

Criador potencial de itens destrutivos,o homem cria as melhores e as piores formas de acabar com as coisas.Eu,usuário potencial de destruição,não consigo mais parar.Estou ficando louco.Três longos dias sem cigarros,uma semana sem álccol.Eu preciso parar.E a ansiedade e a pele gelada,e pegar qualquer coisa para pôr na boca e tragar mesmo que não entre fumaça alguma estão me elouquecendo.Chega de preencher o vazio com fumaça.

É só o começo.Seria adorável quebrar o protocolo e comprar uma garrafa de vodka e ir pra qualquer praça ver o céu e fumar a noite inteira.Decidi virar um atleta.¬¬ Daqueles que correm três horas sem se cansar,comem carne de peixe e dormem.Preciso aprender a dormir sem remédios.Preciso ficar sóbrio e sair de dia.

Em busca da saúde.¬¬Parece até nome de quadro do Fantástico...Que começe a saga...

Quantos dias será que eu aguento?

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

Nos últimos dias eu tenho dormido debaixo da cama.Não que eu tenha medo de monstros,se eu quisesse,sairia de casa.O chão frio parece mais confortável,me sinto tão lúcido e tão real,e é tudo tão decadente que eu sorrio em deboche.Aos poucos eu aprendo;devagar como se me desmontassem com uma lixa de unhas,é cada vez mais fácil aceitar os fatos e seguir pra lugar algum.

É estranho parecer entender coisas que não fazem sentido,mas cada um cria suas próprias lógicas,por mais tolas que sejam.Olhe pra dentro e conte as feridas,aprecie os estragos.Quem mandou sair de casa?Eu até quero rir de você dessa vez.

E os que não fracassam,enlouquecem procurando companhia ou sentimentos verdadeiros e puros,cedo ou tarde,cada vez mais você será menos você.Temos dois olhos,dois braços,um par de pernas e um de pulmões.Sorte que temos apenas uma boca.Quanta merda dizemos uns pros outros,ou(como no meu caso,)jogamos ao vento.Chega de procurar a quem culpar,babe,a culpa é sua,aceite.Compre uma arma ou faça seu estoque de bebida e cigarros.

Individualidade é tão doce quanto vingança,é tão cinza quanto dias nublados.Se sinceridade tivesse preço,eu já teria vendido a minha.Se todos tivessem uma única verdade,ainda assim me chamariam de mentiroso.Eu não ligo,eu nunca liguei,até gosto assim.Não precisa estar com medo para dormir embaixo da cama,basta gostar do chão e do frio.

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

É incrivel a forma como o tempo e o destino conseguem ser maus com alguns.Viver mata.Preso em outro clichê.Eu prefiro assassinar todas as idéias e crenças em Karma e destino,destino,quem cria somos nós.Que fabulosa merda estou construindo.

Um sorriso descontentado.Desculpe eu ser eu,mim.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Cansado de provar do meu próprio veneno.É amargo,não tem graça.Nada muda,apenas se move.Pra onde foi aquele garotinho cheio de
planos e certezas?Hoje,só tenho certeza do que não quero,só tenho certeza do que são negações.Eu espero,e espero mas as coisas
não mudam sozinhas.Não há o que fazer.Tudo vai continuar parado e cinza.Não durmo há quase dois dias.Dramin seria uma boa escolha.

Mais um dia me sentindo completamente sozinho.Mesmo que dessa vez não haja ninguém por perto,só torna as coisas mais literais.
Às quartas,no Pinel,eu sempre converso com uma interna em particular.E ela em todas as vezes me conta um pedaço de sua vida.
Eu não consigo falar uma palavra sobre mim pra ela.E nós fumamos juntos,e meio maço de cigarro se vai enquanto ela me conta episódios
de dor e sofrimento,me faz dar sorrisos sinceros e me mostra cicatrizes físicas e mentais.Talvez eu só não tenha nenhuma história
interessante pra contar.Talvez ela só fale comigo todas as quartas pra ganhar meio maço de cigarros.

As quartas-feiras têm sido meus únicos dias interessantes.E talvez eu esteja apaixonado por uma louca sedada e manca.É isso
que dá não ter ninguém.E eu volto sempre em estado de choque e mascando um chiclete de morango.E eu volto sempre cada vez
menos eu.Esperando pela próxima consulta,pela próxima quarta.

E eu nem ligo mais de beber café frio,de não ter sono,de ser insuportável.Uma das características mais escrotas do ser humano
é que ele se adapta rápido ao seu estado e habitat,não fazendo mudanças internas,mas mudando tudo à sua volta.É simples como
se eu tivesse o toque de midas,mas em vez de ouro,as coisas viram merda.Todo esse vazio e solidão seria apenas devido a eu
não ter convidado ninguém?Pois bem,pelo menos não tenho à quem expulsar.

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Egonômico.

Pelo menos por hoje,um pouco menos de mim,as plantas são boas ouvintes e eu já me cansei de falar com as paredes.Um pouco de dedicação,algo como limpar a areia do meu gato e levar meu cachorro pra passear,eunão consigo sentir pena de ninguém.Um pouco menos de tédio,não deve ser tão difícil se entreter de outras formas que não dormindo ou resmungando.Hoje eu acordei cristão,quero ajudar alguém.

O mundo não gira em torno de mim.

Muito menos de você.

Pelo visto eu não consigo parar.

segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

Nós eramos tão puros,tinhamos sorrisos em nossos rostos,eramos nossa própria luz.No tempo em que os dias só acabavam pra podermos descansar pra sermos felizes no dia seguinte não havia dor.Não havia talhos em nossos pulsos.Brilhavamos em nossa auto-suficiência.Os anos consomem e corroem,poderia dizer por todos nós que estamos desgastados e erodidos pelo tempo.Montanhasdiminuindo,evanescendo.Estamos mortos e duros,respiramos com ajuda de aparelhos;mesmo nossas sombras são maiores que nós.Todoo brilho do passado ofuscado por grãos de poeira.Ínfimos,famintos,inimigos de nós mesmos.Ainda conseguimos sorrir de volta quando nos comprimentam.Não é o fim,ainda temos velas.

É uma lástima ter certeza de que cada hoje já virou ontem,e que cada amanhã vai deixar de existir também.Não temos asas,não temosnada.Fecho os olhos e me sinto tão tonto,com a intensidade de um sonho e a velocidade de um trem,eu caio.Preciso me apoiar nasparedes.Labirintite é uma merda.

Pode ser um consolo estarmos envelhecendo.Mas seria uma merda ficar velho.Talvez um dia se torne tudo engraçado,interessante e divertido,vaique um dia eu sinto vontade de acordar no dia seguinte pra fazer algo melhor do que ir mijar e resmungar em voz baixa?!As pessoasmudam.Isso pode ser um problema.Mais um problema.É tudo tão simples,só inventamos os problemas para parecermos importantese melhores perante nós mesmos.Sintamo-nos à vontade para tirar os sapatos e para nos acharmos super-heróis sofridos e merecedoresde qualquer coisa maior que porra nenhuma.Nós somos fortes,somos de pedra,nós somos reais,nós somos tudo porque somos de nada.

domingo, 18 de janeiro de 2009

Preciso ir na igreja cuidar de minha salvação.Me disseram ser preciso se confessar,quepreciso me redimir.A culpa é grande.O crime maior ainda.Mas assim como os maiores culpados,juro minha inocência.Não sei se ainda estou ébrio.A lucidez só pertence aos justos e cristãos.Nem o sol consigo enxergar.Meus olhos tão novos,tão míopes,portando-se como velhos;cansados,fitando o vazio,como se esperassem pelo passado.É dificil dizer a verdade.Será que o padre me perdoaria?Preciso ir à missa,rezar alguns "pai nosso" e talvez assim minha alma fique mais calma e deus possame perdoar.Que me perdoe por existir.Mesmo que eu não tenha pedido,mesmo que eu não mereça,mesmo que eu não queira.Que me perdoe.

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Definitivamente nós seres humanos gostamos de apostar em cavalos mancos,de lutar por causas perdidas e de quebrar as nossas próprias pernas.Idealizar a ilusão,esperar pelo melhor,achar que tudo vai dar certo...Esperança é para fracos,compaixão é para mendigos de alma.Ninguém pode vencer a gravidade,mas ninguém se importa e seguimos todos esperando um dia voar.Pra grande maioria,é fácil esquecer,é fácil perdoar,somos mestres na arte de fechar os olhos.Viva a mentira!Um brinde à derrota.


Fracos.

quarta-feira, 14 de janeiro de 2009


Eu tenho fãs.Literalmente,uma centena deles.Ou mais!E eu chego na praça com minha mochila velha e surrada e sento no banco verde,tiro um saco de milho e um caderno velho,despejo um pouco de milho no chão e espero alguns segundos.Vêm todos eles,voando pra mim,famintos,sedentos por algo que não se define com palavras.E eu acendo meu cigarro.

Começa a leitura dos poemas mais sem graça,e eu conto todos os meus segredos em voz baixa pra que nenhum velho jogando baralho ouça.Minha praça.Meus pombos.E o chão,cheio de folhas secas,de papéis de bala,de cigarros fumados,como se fosse um cinzeiro gigante.E els me ouvem,e respondem com calor,com carinho,mesmo cinza,mesmo sujos,os pombos não têm medo de monstros.E enquanto dura o milho,os pombos permanecem,meus poemas tolos não têm fim,eu não tenho escrúpulos.

Solidão.Eles tem ouvidos mas têm preço.E eu sou deixado sozinho com o dia nublado e meus cigarros.O céu nublado e um pouco de tosse de velho,os tênis velhos e o chão.Por dentro,um sentimento de que nada tem valor algum,de que não tem ninguém pra salvar ninguém e a solidão socandomeus dentes.Tédio e preguiça de me levantar.Mas eu preciso ir,ainda tenho psiquiatra às 11.Doente.

Outro dia em lugar nenhum,que tédio.

terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Eu gostaria de saber tanto quanto a Wikipédia e ser tão belo quanto um casal de pombos.É tudo tão cinza,e não faz diferença nenhuma.Eu até fingiria um sorriso se alguém dissesse olá do outro lado da rua.Tudo tão tedioso e sem graça,eu não consigo ouvir nenhuma música até o fim.

Amanhã os jornais de hoje serão velhos.O tempo passa e eu continuo dentro do meu quarto,tocando música folk e trocando de canais.Eu não tenho tanto tempo assim,o relógio nunca se cansa.É tempo demais pra perder.E esse tempo é todo meu.

Mais um dia é só um dia a mais,na falta de um lugar pra ir ou algo pra fazer,contar os segundos virou uma tarefa tão importantequanto escovar os dentes.Bom dia pra você também.Seria ótimo ter algo mais a dizer por hora.Quebre seus espelhos você também.Descubra quantos litros de sangue correm aí dentro,reescreva a Bíblia,fume mais,faça sexo,compre uma arma.

Quem vem aqui pra dar cabo de mim?

Grandes planos pra um glorioso futuro debaixo da terra.Que venham devorar minha carne.

Óde à ninguém

E ele podia dissecar pensamentos e prever movimentos.
Mas não valia de nada ter um cérebro e um coração.
Amor mata rápido como cianeto.
Derruba um homem como se fosse cárie.
Os dias se arrastavam como vermes e sorriam como assassinos.
O mundo não acabou até hoje,
Nunca vai ter fim.

No espelho,ele estava morto,não havia ninguém.
Podre até os ossos,cada dia e cada escolha faziam menos sentido.
Faltava espaço pra abrir suas asas,era tudo escuro.
Amor destrói,e o anjo estava ruindo.
Perdendo a guerra antes mesmo de ela começar.
É melhor deixar os monstros se destruírem com sorrisos,
Todos os atos e emoções estão no dicionário.

Todas as promessas foram quebradas,estão todas paraplégicas.
E ninguém mais vai a lugar algum.

sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

Você é feito de que?
Quem te inventou?
Pra onde você está indo?
Por quê tanto drama?
É cruel demais?


Você também não sabe de nada.
Fique um pouco mais.Quando você vir que belos animais possuímos neste zoo,você mudará de idéia.Chore um pouco mais.Cada lágrima derramada valerá à pena.Todos eles têm belos sorrisos,todos eles têm belas garras.Um pouco de beleza jogada no lixo e você logo se acostumará.O sol queima,não tire a máscara.Se eu disser que não significo mais nada pra ela,talvez eu te arranque um sorriso.Nenhum olhar faz diferença se você é cego.De novo.Pesa?Você gosta,eu sei.Quando você sorri é porque arde.Mas ninguém vê sua dor.Não até você chegar em casa.Escutemos juntos a melodia do silêncio;talvez algo importante e belo nos seja revelado.Falta de ação seria falta de pensamento?Não.Mas falta de amor seria uma pedra.Sorria de novo,deixe me ver seus belos dentes amarelos.Morra de novo,olhe pra mim.Se eu comecei,com certeza é por que procuro algum fim.Mas hoje os fins não têm fim,não passam de meios.Dolorosos meios manchando como sangue,escorrendo como tinta,como a saliva branca que corre da boca do epilético.E mesmo o epilético morre.Menos eu.E nossa viagem chega ao fim antes mesmo de começar.Se sua timidez não aimpedisse,talvez você dissesse que poderia ter sido bem melhor.Pois bem,vamos voltar pra casa.Sangremos mais um pouco,eles ainda têm sede.Morramos por ter vida demais.Despejmos palavras frias e frases feitas ao vento.Apenas por não fazermos sentido algum.

quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

Perdedor,pecador,agressor,transgressor,regressor,uma flor,já sem cor,sem fulgor,sim senhor,meu amor,tem mais dor?

Eu quero ser o próximo da fila.

Mas nem o tempo espera por mim.

quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

Me sinto tão só,e é tão forte que dá até vontade de chorar.Você também já chorou de solidão,por assim dizer.Você apenas seca suas lágrimas antes que elas escorram,eu apenas não me importo de rastejar e implorar por um pouco de amor.
Ela sempre se esconde por um momento.Quando vem à superfície,me abraça com seus espinhos.Meu amor.Rasga minha carapaça e bebe um pouco de mim.Mas nunca o bastante para me libertar.Sempre quer mais sangue.Ela nunca vai embora,apenas se encolhe com frio de mim.E sempre espera por meus dias de sol para se esquentare vir me cumprimentar com seus lúgubres e magros dedos.Se torna máscara,se torna pele.Toma conta de mim pra então me abandonar de novo,sem pele,em carne viva.Carne morta.E a cada toque,me rasga e me diminui a pedaços menores ainda.Eu me corto.Dessa vez eu vou sangrar até morrer.

Mas eu nunca morro.

terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Eu sou um ótimo consumidor de pseudo-cultura.E eu ligo meu computador e leio a porra do seu blog.E você,às vezes vem aqui também ler o lixo que eu escrevo.Nós somos pessoas online,procurando relações vazias e passageiras,pessoas desconhecidas pra contar todos os nossos problemas e dores.É bem mais fácil se abrir para alguém sem rosto e ir embora sem nunca ter que vê-lo de novo ou passar por constrangimentos.Eu e você somos os que deturpam todo o potencial que a internet tem,publicando nossos pensamentos vagos,vazios e sem graça.

E vários como nós se conectam de novo e de novo todos os dias procurando por pessoas que aparecem bonitas na foto,pessoas como sorriso mais branco,com os maiores peitos ou os músculos mais aparentes.Hoje eu me sinto tão sensual,com meus dentes amarelos e nicotinados,pena que você não pode ver e me dar um alô.

As pessoas básicamente não conseguem ser sozinhas,têm essa necessidade imbecil de procurar por outras e de falar sobre si mesmas,de incansavelmente procurar a felicidade.Quebre essa corrente,você não precisa conversar com ninguém,você já tem quatro paredes no seu quarto.Crie um blógue,fale sozinho,é tão vazio quanto tudo o que você já faz,só é menos irreal e mais concreto.As pessoas parecem ter medo da solidão.É algo tão ruim quanto parece?É mesmo tão humilhante não ter ninguém?

Continuem a procurar por coisas inexistentes e fantasias,não vai parar de doer,o vazio não faz sentido hoje e provavelmente,amanhã continuará tão vazio quanto antes.Não saio de casa há seis dias.Nem pra comprar cigarros.Estou dormindo mais de metade do dia e não falo ou vejo ninguém além dos meus pais que nem se importam tanto assim de eu ser um otário escrevendo pra você.Acho que estou com medo de sair,estou satisfeito aqui.Todas as tentativas anteriores de conseguir algo concreto falharam.Eu não mereço nada.Eu devo ser um daqueles pra quem o céu sempre vai aparecer cinza.Pelo menos eu prefiro os dias nublados.

Considerações finais?Acho que não,só não sei mais o que escrever,você já perdeu bastante tempo se chegou até esse parágrafo.Eu não vou te agradecer por ter lido dessa vez,eu não te pedi pra passar por aqui.Volte se quiser,mas não se esqueça de lembrar que não irás encontrar nada útil por aqui.Como eu já repeti várias vezes,aqui é tudo sobre eu e mim mesmo.

sábado, 3 de janeiro de 2009

Jenny Tall

Ela segura minha mão tão forte
Que vai quebrar meus dedos,
E eu vou quebrar seu coração

Nós nunca teríamos chegado tão longe se eu tivesse pensado antes de falar

Ela é um monstro,
Eu sou uma garotinha
Cheire meu sorriso e sorria,
Eu sei que você gosta do meu sangue

Eu prometo que nunca contarei nossos segredos
Se você apagar cada estrela no céu da sua boca
Eu prometo que desaparecerei,
Até porque eu não quero mais te ver
Se eu tivesse ouvido mamãe,
provavelmente ainda teria um coração

Vá pra casa e coma suas bonecas
Vá pro inferno e traga fogo
Me queime como a uma bruxa

Quando as lagartas entram no casulo,não voltam nunca mais

Exoesqueleto fraco demais
Meu escudo quebrou de novo
Na próxima vez eu compro um amor novo






Eu não vou esquecer cada prego na porta do meu caixão.
Um beijo,monstro.

sexta-feira, 2 de janeiro de 2009

Nenhuma reclamação por hoje.Me sinto sozinho,abandonado.Parece que eu não tenho ninguém que se importe.Leonard Cohen vai cantar pra eu dormir.De novo.E é tudo que eu tenho.Lembranças e saudades de coisas e pessoas que já se foram de alguma forma.Eu sou feito de fantasmas.

Eu quero motivos pra lutar,motivos pra sorrir e principalmente motivos pra chorar.Não tem a menor graça do jeito que é.Estou fugindo dos meus problemas insignificantes e aterrorizadores dormindo.Não ligo,sou covarde mesmo.Meu clichê é dormir.Mas eu não tenho nada pra fazer com ninguém,ninguém pra sorrir vendo programas de humor.

Sinto falta do meu coração e de alguém.Não tem ninguém aí.Nem por aqui.Eu estou ruindo.Com um sorriso no rosto.

Mais uma vez,boa noite.