domingo, 4 de junho de 2017

Epifania de Alice

Por algum tempo conversei com ela através de uma redoma. Por algum tempo, falei sem ser ouvido mas sei que ela me sentia e eu a sentia também. Por vezes, imaginei como seria a primeira vez que nos encontrássemos. E depois de meses de espera, eis que é chegada a hora, assim quase de surpresa. Na primeira vez ela nem me viu. Lembro de ter sentido tanta coisa ao mesmo tempo e não ter entendido metade. A emoção de segurá-la nos braços, uma mistura de felicidade instantânea e medo, o cheirinho, o toque. Contrastes tão gritantes onde a vida é tão presente e recebida com felicidade e descontentamento ao mesmo tempo. 

A meia luz do fim de tarde invadindo o lugar quase que tímida, o olhar mais despreocupado que já vi na vida percorrendo o quarto...e quase que imediatamente, ela dormindo no meu colo. A mãozinha tão pequena segurando meu dedo, o cheirinho de recém nascido, cheiro de pureza. Ela respirando com tanta calma que quase nem se percebe, tão quentinha, vez ou outra mexendo os dedinhos enquanto dormia. Como pode tanta paz caber em um serzinho de 46 centímetros? Energia forte que emana, encostei na poltrona e cochilei com ela no colo. 

Voltei pra casa com a cabeça cheia. Me fez pensar nos filhos sem pais e nas mães guerreiras. Crescer sem alguém tão importante na formação de uma criança, nos possíveis traumas e ressentimentos de alguém que mal aparece ou possivelmente nunca se verá. Me fez pensar na batalha diária de uma mãe que tem que ter força em dobro sendo pai e mãe educando e criando um serzinho. Mundo injusto onde a gente é largado sem pedir e tem que se virar pra se tornar forte e sobreviver. 

Sobretudo, voltei pensando na vida e em sua efemeridade, no caminho que a gente começa a trilhar antes mesmo de aprender a andar e percorre por ele muitas vezes sem nem se dar conta. E mesmo quando a gente se torna um ser humano com senso crítico e personalidade desenvolvidos a gente continua trilhando esse caminho, mantendo as mesmas manias, cometendo os mesmos erros, procrastinando e fugindo dos nossos próprios medos.

E quando já andamos com as próprias pernas, continuamos o percursso. As mães nos criam para sermos felizes e nem se dão conta que no meio desse processo acabam nos traumatizando de inúmeras formas. E a gente mesmo acaba se tornando alguém com medo de se machucar. E conforme o tempo avança a gente vai deixando que as sombras do passado interfiram no nosso presente, no nosso futuro. Já parou pra pensar quantas oportunidades de ser feliz de verdade você perdeu por medo? Eu perdi algumas. 

Voltei andando e olhando pro céu sem estrela. Pensando na bebê, que um dia vai ser vovó, pensando que daqui a pouco tempo ela já vai estar falando e que quando eu for um tio velho bem chato vou viver dizendo que a peguei no colo e ela está enorme. 

Voltei pensando nos erros, nos acertos, voltei pensando que a vida é maravilhosa e ao mesmo tempo é injusta, difícil...só se vive uma vez e pra tanta coisa não existe segunda chance. Mas como a gente vai saber? Como ela vai saber? Voltei mais que tudo desejando muita saúde e muito carinho. Que essa jornada que acabou de começar seja cheia de conhecimento e você continue emanando aquela energia tão gostosa que coloriu meu dia. Aqui não é o país das maravilhas, mas a vida é maravilhosa. Bem vinda ao mundo, Alice! 


Nenhum comentário: